Dentre as ferramentas utilizadas para acompanhar as finanças das empresas, está o uso do Balancete, que se trata de uma espécie de relatório contábil.

Através dele, é possível registrar todas as operações relacionadas aos custos, despesas e receitas. 

Esse levantamento pode ser feito de acordo com as necessidades da organização, não sendo preciso seguir um período determinado como ocorre com o Balanço Patrimonial, por exemplo.

Assim, é possível que seja feito de forma mensal, quinzenal e até mesmo diária. Vale ressaltar que, apesar de não ser obrigatório, o balancete é muito importante para as empresas.

Por isso, trazemos neste artigo as principais informações sobre o Balancete, considerado mais do que uma simples formalidade. Entenda como ele pode ajudar o dia a dia da sua empresa, seja ela de médio ou grande porte.

Balancete  

A falta de controle das contas pode resultar em fraudes e desvios, então, os gestores precisam fazer uma constante averiguação de suas contas, o que garante a lisura dos processos contábeis.

Então, o Balancete é utilizado justamente para reunir as principais informações e manter os gestores atualizados sobre a saúde financeira do negócio. 

Além disso, instituições financeiras também podem utilizar estas informações para determinar se uma empresa se qualifica para créditos ou empréstimos.

Da mesma forma, investidores e acionistas também podem acompanhar a evolução das receitas e despesas.

Diante da visão patrimonial, o balancete também pode ser utilizado para a base de cálculo do IRPJ e  CSLL sobre o lucro real.

Utilizando o Balancete também é possível facilitar a elaboração do e o Demonstrativo de Resultado de Exercício (DRE) através dos dados colhidos pelo Balancete. 

Como o balancete é feito?

Neste demonstrativo financeiro, devem constar os saldos de débito e crédito. Para a sua elaboração é preciso ter as informações que constam no Livro Razão, que é onde são registradas as contas patrimoniais e de resultado.

Assim, o saldo de cada conta deve ser identificado e desconsiderados os grupos aos quais a conta pertence (ativos, passivos ou patrimônio líquido).

Depois, estas informações devem ser registradas no Balancete, lembrando de registrar o saldo devedor no lado esquerdo e o saldo credor no lado direito.

Assim, será feita a soma de todos os componentes de cada lado, o que resulta nos saldos finais.

Mas, sempre verifique o saldo final que deve ser igual em ambos os lados, caso contrário, existem erros que precisam ser revisados para garantir que o Balancete e demais relatórios contábeis estejam corretos.

Balanço e balancete

Acima citamos o Balanço Patrimonial que muita gente costuma confundir com o Balancete. Então, saiba que a diferença entre eles é a obrigatoriedade, além do período que é registrado.

Enquanto o Balancete pode ser feito a qualquer tempo, o Balanço Patrimonial deve ser registrado a cada 12 meses, pois as empresas precisam apresentar suas informações a cada exercício social, conforme determina a Lei 6.404/76. 

Assim, sua composição é regrada pelo Normas Brasileiras de Contabilidade (NBC) e Conselho Federal de Contabilidade (CFC).

Para a sua elaboração, é preciso classificar todas essas informações como resultados positivos (lucros) e negativos (prejuízos).

Se você quer evitar erros e obter auxilio para a elaboração deste relatório, você pode contar com apoio de um profissional contábil que possui experiência no assunto e pode acompanhar o desenvolvimento do seu negócio. 

Fonte: Jornal Contábil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
Abrir Chat
Olá! Precisa de ajuda?
Olá, como podemos ajudar